Segunda-feira, 27 de Setembro de 2010

Alan Grayson: Taliban Dan

Anúncio de ataque de Alan Grayson, candidato democrata ao congresso pela Florida,  que pega nas convicções do seu oponente Daniel Webster para o acusar de ser igual aos Talibans. Prova de que não são apenas os Republicanos a fazerem anúncios extremos, e que o recurso ao medo dos Muçulmanos funciona para ambos os lados.

 

 

Linda Burka. Devia fazer um sucesso na Flórida.


publicado por Vega9000 às 10:43
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
Sexta-feira, 24 de Setembro de 2010

Mourning in America

Num pais com um historial tão rico em anúncios politicos televisivos, a utilização, ou reciclagem, de spots históricos ou famosos para fazer passar uma nova mensagem é habitual, até porque é uma maneira fácil de obter notoriedade. No entanto, a maior parte desses anúncios caem facilmente no ridículo (como este).

Aqui, não é o caso.

O grupo conservador Citizens for the Republic acabou de causar sensação com este anuncio, que é uma variante muito astuta do clássico anúncio de Ronal Reagan, já aqui mostrado.

Intitulado Mourning in America - um inteligente jogo de palavras entre Morning (manhã) e Mourning (Luto, tristeza) - é uma cópia irónica que pega num anúncio que todos os americanos têm na memória, e dá-lhe completamente a volta, de uma maneira hábil e eficaz, para atacar a administração Obama, desenhando um contraste entre a presidência deste, marcada pela crise, desemprego, e dívida, e a presidência de Reagan, marcada, no imaginário Americano, pelo optimismo e crescimento económico. O resultado (independentemente de se concordar com a mensagem) é extremamente poderoso e emotivo.

 


publicado por Vega9000 às 10:37
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 23 de Setembro de 2010

Paladino: I'll stop the Mosque

Carl Paladino, candidato Republicano a Governador de Nova Iorque, eleito pelo Tea Party, continua a tentar capitalizar a deplorável polémica à volta da Mesquita do Ground Zero com este anúncio, onde promete usar todos os seus poderes para impedir a construção "do monumento àqueles que nos atacaram". É populismo do mais rasteiro, numa corrida que é já uma das mais sujas destas eleições. Vejam só esta carta.

 


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 22 de Setembro de 2010

Meg Whitman joga a cartada Clinton

Na corrida para Governador da Califórnia, a candidata Republicana Meg Whitman responde ao anúncio de apresentação de Jerry Brown de uma maneira polémica e implacável: utilizando uma gravação de Bill Clinton criticando duramente Brown, que foi seu rival à nomeação para a corrida presidencial de 1992, uma corrida tão dura que ambos ficaram de relações muito tensas desde aí.

A jogada resultou em pleno: não só o anúncio é extremamente eficaz, como a resposta incrívelmente desastrada de Brown significa que não poderá contar com o apoio deste nestas eleições. E os Clintons são extremamente populares no estado, pelo que esta perda é um sério revés na campanha do Democrata.

 

 

É um anúncio cínico e uma armadilha descarada, na qual Brown caiu que nem um patinho. Será provavelmente recordado como um dos grandes anúncios de 2010, aquele que arrumou Brown e assegurou a vitória de Whitman. Quando bem feitas, estas jogadas valem a pena. E esta está magistral.


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

Kendrick Meek: Olá, e adeus.

Ainda na Florida, o candidato Democrata ao Senado, Kendrick Meek, lançou também o seu anúncio de apresentação. Procurando ser simpático e bem disposto, é um resumo das posições do candidato em várias áreas, desde a privatização da Segurança Social ao aborto, passando pelo salário mínimo e taxas de cartões de crédito.

Mas a forma como resolveu apresentar-se é inadvertidamente hilariante. É que Meek está em último nas sondagens, com aproximadamente 23% e a grande distância dos outros, pelo que a sua campanha vai provavelmente ter o mesmo rumo que utiliza neste anúncio: Olá, sou Kendrick Meek, e adeus...

 


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 20 de Setembro de 2010

Charlie Crist explicado às crianças

Charlie Crist, actual governador Republicano da Florida que concorre como independente para o Senado, tem lançado uma série de anúncios onde procura valorizar o seu papel de independente. Apostando que o eleitorado valoriza um político que trabalhe com ambos os partidos, a sua campanha tem sido baseada nessa imagem de moderado, alguém "acima" das guerras partidárias.

No entanto, os seus anúncios têm sido notados mais pela extrema simplicidade com que apresenta estas noções, que roçam a infantilidade. Neste primeiro exemplo, há um traço de Rua Sésamo indesmentível:

 

 

O segundo baseia-se na ideia da "linha na areia" que este atravessa para procurar as melhores ideias. Mais uma vez, a influência infantil (quem é que desenha linhas na areia?) é notória:

 

 

Neste momento, Crist está em segundo lugar, atrás do Republicano Marco Rubio. A campanha tem sido apenas positiva, mas a continuar assim, desconfio que em breve se acabarão as brincadeiras de recreio...


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 17 de Setembro de 2010

Chuck Grassley: Twitter

Apresento-vos Chuck Grassley, 77 anos, Senador Republicano pelo Iowa desde 1981, com a reeleição praticamente assegurada. Ávido utilizador das novas tecnologias, e sem concorrente à altura, dispensa os anúncios de ataque e prefere oferecer-nos esta pérola:

 

 

 

 

Não se preocupe, Senador. O Twitter é crónico, mas não fatal.


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Setembro de 2010

DNC: Boehner land

A estratégia democrata para as eleições de Novembro passa em grande parte por convencer o eleitorado que uma vitória dos Republicanos significaria um retorno às politicas económicas falhadas do passado, e entregar o poder aos grandes interesses financeiros que provocaram a crise. Como parte da estratégia, lançaram uma série de anúncios onde atacam especificamente John Boehner, que será o será o speaker of the House caso os Republicanos ganhem o controlo do Congresso, como parece provável. Explorando a imagem menos positiva que este tem e as suas ligações aos lobbies e financeiros de Wall Street, procuram criar um "lider dos Republicanos" com imagem negativa, uma vez que as figuras mais controversas, nomeadamente Palin, não concorrem a nada. O chamado "straw-man".

 

 

 


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Setembro de 2010

Tea Party: Get lost!

Jon Scott Ashjian ganhou uma breve notoriedade ao ser o primeiro candidato às eleições para o Senado pelo Nevada, concorrendo pelo Tea Party of Nevada, que ele próprio fundou. O único problema era que o seu partido nada tinha a ver com o notório Tea Party a nível nacional, nem os activistas deste alguma vez tinham ouvido falar nele. Como tal, chegaram imediatamente à conclusão que era provavelmente alguém ligado à campanha de Harry Reid que procurava dividir o voto conservador, criando confusão no eleitorado (uma tática suja, típica da política americana).

 

Para clarificar a confusão, a organização Tea Party Express lançou este anúncio, denunciando em palavras, hum, acutilantes, o que pensam ser uma fraude. Não são parcos em palavras, estes activistas, mas há que perceber que o eleitorado do Tea Party é em grande parte constituído por Low information voters, pelo que a mensagem tem de ser clara. Mais claro que isto é difícil.

 

 

 


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Setembro de 2010

Quanto é que gastam as campanhas?

Uma pequena pausa nos vídeos para chamar a atenção para este artigo do New York Times onde se detalham tanto os gastos em anúncios televisivos, por partido ou grupos de interesses, como os temas mais falados nestas eleições.

 

Faz parte de uma reportagem sobre a estratégia eleitoral e mensagens utilizadas pelos Democratas (e não só) nestas eleições. Um pequeno excerto:

 

In the last six weeks, Republicans have outspent Democrats $20 million to $13 million in television advertising, according to an analysis by The New York Times of 56 of the nation’s most competitive House and Senate races. The Republican advantage includes $9 million in spending from outside groups, compared with $3 million from left-leaning interests.

The disparity in spending, particularly from third-party groups, is the central reason Mr. Obama has agreed to step up his fund-raising efforts for the party in the coming weeks, aides said, and why Speaker Nancy Pelosi is asking leading donors to dig deeper.

The images of Mr. Obama and Ms. Pelosi appear with more frequency than those of any other political figures — but nearly always in Republican advertisements. They have been mentioned so many times that in their advertising some Democrats have started calling out their Republican rivals, including Representative Roy Blunt of Missouri, who is running for the Senate.

“Congressman Roy Blunt seems to think he’s running for the Senate against Barack Obama and Nancy Pelosi,” says Robin Carnahan, the Democratic candidate, standing in the middle of a cow lot on her farm. “Hey Roy, you’re running against me!”

For all the evolutions in technology, with voters able to gather information instantly about candidates from an ever-widening array of sources, television advertising remains the most central ingredient of political races. Many candidates say they are buying more spots than in previous election cycles, hoping to break through to viewers who often tune out the first few times they come across a commercial.

The voices of politicians, along with soothing-sounding narrators talking about the economic stimulus, federal spending and bank bailouts, resonate from television sets throughout the morning, afternoon and evening.

In the last six weeks alone, Republicans broadcast 45,100 commercials and Democrats broadcast 38,400 in the competitive races included in the Times analysis of advertising data collected by the independent Campaign Media Analysis Group.

“The political response to a fragmented media world is to talk louder and longer,” said Evan L. Tracey, president of the group, which monitors political advertising. “This will be the most negative election we’ve probably ever seen, because everyone is trying to tap into voters on an emotional level and no one is looking to entertain right now.”


publicado por Vega9000 às 07:00
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Contacto

nsalgueiro@gmail.com

posts recentes

Anuncios judiciais (1)

James Anderson: A real at...

RNC: No more Frankens

As guerras do casamento (...

Os gozo dos ditadores

O ataque da Pelosi gigant...

Gabrielle Giffords

North Dakota: o contraste...

Uma cara bonita e uma met...

O triunfo dos marrões

últ. comentários

Pois eu acho que é de continuar...
Obrigado a todos. Isto está em pausa enquanto deci...
e não fazes mais? eu gostei.:-)
Eu n tenho nada a ver com os bacanos do aspirina, ...
Vim espreitar o blog do comentador mais simpático ...
:)))
Um bocadinho paranóico, não? Tem exemplos de algum...
Correccao: o uso de armas ja e regulado nos EUA.Os...
No actual Partido Republicano, alguém gabar-se do ...
:)))[Interessante o remate: "especialmente um Repu...

tags

republicano(40)

senado(25)

democrata(23)

primárias(17)

governador(13)

congresso(11)

alabama(7)

nevada(6)

presidenciais(6)

florida(5)

arizona(4)

california(4)

histórico(4)

ohio(4)

califórnia(3)

carly fiorina(3)

conservador(3)

dnc(3)

pennsylvania(3)

alexis giannoulias(2)

todas as tags

arquivos

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Blogs recomendados

Statcounter

SAPO Blogs

subscrever feeds