Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

2002: King Roy, o rato

Na corrida para governador da Georgia em 2002, o candidato republicano Sonny Perdue concorria contra o então governador, o Democrata Roy Barnes. Foi nessa corrida que foi produzida esta pérola, que entrou imediatamente nos anais dos anúncios de ataque como um dos mais bizarros, (e humoristicos) já produzidos. So bad, it's actually good:

 

 

Sonny Perdue ganhou a corrida, tornando-se em 2003 o primeiro Republicano Governador da Georgia desde a Reconstrução, no ano de 1870.


publicado por Vega9000 às 23:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Maio de 2010

Big Bad John

Anúncio de 2008, quando o Senador John Cornyn concorria à reeleição. Uma das grandes pérolas desse ano, e talvez de todos os tempos. From Texas, where else?

 

Nota: este é um dos meus favoritos de todos os tempos, sobretudo porque nunca consegui tirar a música da cabeça (é do Jimmy Dean). Watch at you own risk.

 

 

 


publicado por Vega9000 às 23:36
link do post | comentar | favorito

Apresento-vos Vaughn Ward...

...o candidato à nomeação Republicana para congressista pelo Idaho. Jovem, bem-parecido, conservador dos quatro costados, aprovado por Sarah Palin, pro-life, pro-gun, anti-Obama, anti-Pelosi, família perfeita, considerado um dos Young guns do Partido Republicano, enfim, tudo o que um candidato precisa para ir longe.

 

 

Tirando que Lucas Baumbach, candidato ao Senado também pelo Idaho (e também Republicano!), reparou num "pequeno pormenor" no seu discurso de candidatura:

 

 

Resultado: com esta, e muitas outras gaffes, Ward acaba de perder as primárias contra o desconhecido Raul Labrador, que vence quase sem ter gasto dinheiro nenhum - as tentativas para encontrar anúncios deste foram infrutíferas.

 

Toda a história de como o candidato modelo perde umas eleições aqui. E reparem depois na pickup truck que aparece no primeiro anúncio. Não é dele. E a partir daí foi sempre a descer...

 


publicado por Vega9000 às 18:51
link do post | comentar | favorito

Como Specter perdeu a Pennsylvania

O senador Arlen Specter serviu no senado por mais de 29 anos, pelo partido Republicano. No ano passado, sabendo que a sua recandidatura iria ser perdida nas primárias para um outro rival do seu partido, chegou a acordo com a administração Obama: mudava para os Democratas, e em troca teria o apoio do presidente nas primárias deste partido.

A sua campanha, aliás, foi inteiramente baseada neste apoio de peso que, esperava Specter, seria o suficiente para assegurar a reeleição:

 

 

 

 

Assim como o anúncio em que procurava convencer os eleitores democratas das suas credenciais liberais, contra a "extrema direita" (que, em abono da verdade, o impediu de concorrer pelos Republicanos como habitual).

A sua nova imagem: Democrat for Pennsylvania.

 

 

 

 

No entanto, as bases democratas, sobretudo os activistas que o conheciam bem, desconfiavam bastante desta nova imagem. O seu rival nas primárias, o congressista Joe Sestak, rapidamente pegou no manto de "Real Democrat". A apresentação é um anúncio positivo puro, com as inevitáveis credenciais militares e o drama familiar. Tudo muito, muito positivo, até o argumento que não era um "político de carreira", slogan sempre popular em todo o mundo:

 

 

 

 

Mas o toque de finados para Specter veio com um anúncio de ataque devastador, pegando numa frase dita numa entrevista, tirando-a do contexto, e repetindo-a com grande efeito. O sorrizinho cínico ajuda, assim como a associação tóxica a George W. Bush.

 

 

 

 

Specter ainda respondeu com este anúncio de ataque, bastante virulento, mas no final acabaria por perder a nomeação para o seu rival, acabando aí a sua longa carreira:

 

 

 


publicado por Vega9000 às 09:51
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 25 de Maio de 2010

Califórnia: Poizner vs. Whitman

Este ano, com a saída de Arnold Schwarzenegger de Governador da Califórnia (por ter atingido o limite de dois mandatos), a corrida à posição está em aberto.

Do lado Republicano, dois candidatos travam uma batalha brutal pela nomeação do seu partido. Meg Withman, antiga CEO do eBay, levava vantagem por ser uma das figuras mais conhecidas do estado, com impecáveis credenciais de empresária visionária. Do outro lado, Steve Poizner, outro empresário bem sucedido mas bastante menos conhecido, começava com uma desvantagem de 61-11. A única maneira de se aproximar: uma barragem implacável de anúncios de ataque, durante meses seguidos, contra a sua oponente. Anúncios como este, pegando no assunto da emigração ilegal, em apoio da controversa lei do Arizona:

 

 

 

 

ou este, onde acusa Withman de nunca ter votado:

 

 

 

 

O resultado desta barragem negativa: 46-36 para Withman na última sondagem. Ou seja, os ataques fizeram com que a corrida ficasse bastante mais apertada, e que um desconhecido ganhasse visibilidade ao mesmo tempo que tira o lustro à sua rival. A principal razão pela qual este tipo de anúncios são tão utilizados. Quando não fazem ricochete, são terrivelmente eficazes.

 

Do seu lado, Withman aposta num mix de anúncios positivos, como este:

 

 

 

 

mas ao mesmo tempo, é obrigada a defender-se, com anúncios de "contra-ataque", em que ao mesmo tempo que ataca o seu oponente, o acusa de apenas recorrer aos anúncios negativos, na esperança de provocar o tal efeito de ricochete:

 

 

 

 

embora, à medida que a corrida aperta, lance também anúncios de ataque puros. Gosto particularmente deste, que não deve nada à subtileza, mas com um tema sempre popular. Buckle Up, Steve:

 

 


publicado por Vega9000 às 10:15
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

A ovelha demónio

Carly Fiorina (antiga CEO da HP, e uma das executivas mais conhecidas do mundo), é candidata à nomeação republicana ao Senado pela Califórnia, correndo contra o seu rival, o também Republicano Tom Campbell. Na tentativa de o denunciar como pouco responsável com as finanças, produziu um dos mais estranhos anúncios de ataque da história, à volta do tema das ovelhas. Espanto é muito pouco para descrever as reacções a esta peça de, hum, "arte política conceptual", que consegue misturar, em 3 minutos, ovelhas, demónios, pedestrais, tempestades, e executivos.

Já o título - FCINO, de Fiscal Conservative in name only - é uma variante também peculiar do rótulo com que os concorrentes Republicanos à nomeação do seu partido costumam brindar os oponentes quando os acusam de não serem suficientemente conservadores: RINO, de Republican in name only.

 



publicado por Vega9000 às 18:33
link do post | comentar | favorito

Thugs and criminals

Anúncio de Dale Peterson, candidato republicano à Comissão de Agricultura do Alabama. Uma pérola de frontalidade conservadora com todos, mas todos, os ingredientes para se tornar um clássico. Take no prisioners indeed.

 



publicado por Vega9000 às 13:39
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Sexta-feira, 21 de Maio de 2010

A América em 30 segundos

All politics is local
esta frase de Tip O'Neill, senador histórico dos Estados Unidos, resume uma das facetas mais fascinantes da politica nos EUA - as ferozes campanhas eleitorais, com uma intensidade pouco vista na mais pacata e "civilizada" Europa. É dessas campanhas, e do seu intenso colorido, que nasce uma das melhores facetas da política americana: os anúncios políticos, que divulgam, convencem, e sobretudo atacam o adversário, em 30 segundos.
Com as midterms de 2010 a aproximarem-se, é a altura ideal para começar este blogue, onde procuro divulgar esses anúncios, que pela sua franqueza, humor, má-fé (muita má-fé...), manipulação, difamação,  inocência, e valores, genuínos ou fingidos,  permitem conhecer melhor  os aspectos mais profundos da política americana.

Para iniciar, nada melhor que o mais famoso de todos eles: o Daisy Ad, de Lyndon Johnson na campanha contra Barry Goldwater em 1964. Apesar de emitido apenas uma vez, a sua influência foi tão vasta que é-lhe atribuído uma boa parte da responsabilidade da vitória da Johnson nessas eleições. Jogando com o medo primário, numa época de grande tensão entre as duas superpotências, em que o perigo de uma guerra nuclear era real, teve o dom de aterrorizar uma nação inteira com a utilização de uma pequena menina a ser aniquilada por uma explosão atómica. A mensagem: eu, ou o cataclismo! Ainda hoje, o efeito é impressionante.



publicado por Vega9000 às 23:34
link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Contacto

nsalgueiro@gmail.com

posts recentes

Anuncios judiciais (1)

James Anderson: A real at...

RNC: No more Frankens

As guerras do casamento (...

Os gozo dos ditadores

O ataque da Pelosi gigant...

Gabrielle Giffords

North Dakota: o contraste...

Uma cara bonita e uma met...

O triunfo dos marrões

últ. comentários

Pois eu acho que é de continuar...
Obrigado a todos. Isto está em pausa enquanto deci...
e não fazes mais? eu gostei.:-)
Eu n tenho nada a ver com os bacanos do aspirina, ...
Vim espreitar o blog do comentador mais simpático ...
:)))
Um bocadinho paranóico, não? Tem exemplos de algum...
Correccao: o uso de armas ja e regulado nos EUA.Os...
No actual Partido Republicano, alguém gabar-se do ...
:)))[Interessante o remate: "especialmente um Repu...

tags

republicano(40)

senado(25)

democrata(23)

primárias(17)

governador(13)

congresso(11)

alabama(7)

nevada(6)

presidenciais(6)

florida(5)

arizona(4)

california(4)

histórico(4)

ohio(4)

califórnia(3)

carly fiorina(3)

conservador(3)

dnc(3)

pennsylvania(3)

alexis giannoulias(2)

todas as tags

arquivos

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Blogs recomendados

SAPO Blogs

subscrever feeds